Monday, October 15, 2012

Some details concerning these last texts published under in this blog, documents of support.

Some details concerning these last texts published under in this blog, documents of support.

The fulminant cancer as discrete process to kill someone

Nuno Debonaire, as I recent remember in a video statement is the first one that after was killed, by the information that I have, a fulminant cancer, as many have been killed in the same way. Also recent, in a dream also accounted in video, an image that speaks about another that after became real, in the sense, that some had prepared to happen in this way that also is indirectly connected with some partial ids, concerning the fall of the towers in NY. The water that fall from sky, as image of connection between sky and earth, that the people that are living now in the upper house had provoked some months ago, (also show in video at the time). This process was also used to kill Miguel Portas and I suppose by the reasons already accounted, at at my home in 2005

Nuno debonaire, icep, the three laces, and his dead

Nuno Debonaire, was according what Teresa says to me at that time, her colleague at ICEP, and as I stated, it seems to me be one of the three laces that she mentioned, in the sense of laces as correspondence with three mans, or three lovers, and I always felt that he was a kind of chaperon, which means, a cover of another one behind.
His murder, as many fallow after in this constant crime of conspiracy, all cover by the authorities, arise always the same questions as I had remark many years ago, that authorities are covering the murders, or are the murders, and the cover says also always the same, the erase of evidences concerning other major crimes against humankind, the murder as way to conceal the possibility that some part of truth can came to light.

Poker players, meanings, and South Africa connections, the animal

There is another fact, around Nuno debonaire, that make a certain connection with others implied in this crimes, as I discover after on internet, if true, it seems that he was also a professional poker play, and this connected through this universe, the poker games, with another man, the “animal” that enlarge this lines until south Africa by the lady and the three emails that Zeza at a certain point gave to me, (also again recent evoked).

The projection of smells and the connection with a lady that was living here, for a while, South Africa, Boers, and FPF

At the end of last week, at dinner time, entering the building a small of very good roster meat was in the air, the strangeness, was, that the small, was the same as some years ago, coming at that time for the house upstairs where at a certain point has also living a lady that I suppose was from South Africa, as all know the projection of smells is a constant trick , and recent again appears as quoted also in recent vides, namely, the fire wood, inside my home, very concentrate in space as some time these kind of small had arisen during all these years.

Smells, thought these years, the smell of the devil, Gulbenkian account lines

Summarizing by memory at this moment the smells, the first one that I remember, was at the time before the breaking of the family, at av. Poeta mistral, with my son entering and the smell of toasted bread with butter, as I gave account on a beautiful text at that time, also around at Gulbenkian, the smell of “enxofre” and the devil, onu old lines, then it seems that someone that have this ability is connected and came from the time of 2004, and av Berna place, a kind of inverted nose, which is a partial id important in many aspects as all can understand by the book of life

The dead of the Brazilian model at the orient towers

The house upstairs as all know as always been used for many, during many years and many events concerning pass, are narrated in book of life, from the time before the tsunami, including a dead of a Brazilian model in the towers of orient, expo place.

The game debts and eventually a reason to still, exchange of even murder my child, image of games, as terrorist networks, Nevada

This present line that seems glue some, of poker, and professional games, as I stated before, as many ramifications all around including at a certain point, an echo from Nevada, first the image of jack Bauer series as process of anonymous acts of terror and there is a possibility that also had arisen concerning one of the most probably motifs that can explain why all these terrorists of state are covering the crime concerning my child and what in truth happen at his birth. That he was given to others and consequently exchange for the payment of a game debt, or that an exchange was done to give him to another, namely a high figure of state.

The indirect prove that all the figures of this Nazi country are covering it

This is proved indirectly by all the criminal acts of denying the access to justice and consequently to the truth perpetuated all this years by the doctor’s order, of course under the command of all the high authorities of this country in the hand of Nazis, corrupts and murders.

The dream with Nuno debonaire figure

The recent dream with the figure of Nuno debonaire, as you can see by the account, speaks also bout a house, a connection of waters, some large decades ago, and a house that was in a very significant place on these crimes, by many other reasons, the Saldanha place, or Saldanha place as recent building, which means near av Praia Vitoria, London bombs, and recent lines again recent summarized, where I include also the fact of strange meeting with Manuel Falcão and his wife, as I gave the account at time, a man, connected with my field of work, with Paulo Portas, and support of the candidature of Durão Barroso.

Games and debt games and the death of Rosa

The question, or apparent question concerning games and debts of games, reappear recent also connected with another dead of the many that are around and until justice during all this years around this crime against my son and myself. The dead of my cousin Rosa and a recent sum on the process of dead, also point the eventually the same group behind by the same operative process.

What the word say to me in the recent video where I evoked this memory just before the tsunami 2005.

When after recording I heard the word on the video where again a comment one of the two strange facts around and before the tsunami 2005, namely the act of love with Margarida Bessa, and the star under the bed, I have understand two above and three under, or the contrary, ( I will not see it again right now) that confirms to me that a pass was prepared, and the meaning, is upper and the above floor of the same building, because there was no more peoples on her bed. I also realize that some part of this statement was again erased, by the terrorist in remote control on my pc.

Margarida Bessa, and another dead of the group of economists

As I stated at the time, Bessa, is from the family of one economist where some years after another killing connected with this case, arise, from the group of the economists, Hernani lopes, and also there seems that eventually a kind of payment to her as done, concerning a family building at the street in Lapa, where also is the house of Pedro marques lopes, bpn, lines, by perhaps a corruption act to license a project of recovering and commercial use.

The partial id that connect with the fall of the towers

The fact that glues the dream and after the real fact here at home, by the others upstairs and NY fall of the towers, is the connection between sky and heart, in symbolical and at least partially, speaking, also an image of infiltration, and consequently spies, and a connection that I had establish in a summary with the Opus Alquimica from Yung, and a particular figure that make an indirect connection with the fall of the towers, the bear, as primal matter, as I had described in one of the point of the analyze , eggs of water at sea matter blog

Games and places of bingo and football groups again and by extension FPF.

There are two bingos in these two parts of the city that seems point eventually a connection as other facts described in book of life also sum this, nearby Saldanha, sporting, and psd, and where at Alcantara, then is possible that the killers are from these groups

GEIRINHAS, or geiras

The husband of Elsa, one of the men of PT, Portuguese Telecom that was connected with the channel Zero, one of the major still that after became you tube. One of the contract establish with PT concerning the channel Zero was done with his department, signed by another stiller, Bau.

Some more details concerning the meeting with my father day 6 of January 2005

The second meeting that day with my father, after I had go out of his car at av de liberdade, was in the commercial center of Saldanha, which had this particular meaning that reinforce the some place in Lisbon, as many other facts, that seems say, that the one from secret polices, perhaps live there. 

the line of the secret police car crash some years after was also comment in my book of life, and have also some international extensions, the presence of Sakira at that time at Lisbon, a video that i had published at that point, a lunch in the house near Santos, with a few official cars parked in the middle of the street as usual in these constant crimes of power abuse  

Paulo forte
15 10 2012

Sunday, October 14, 2012

The id key of the tsunami 2005

The id key of the tsunami 2005

The text recent republished at my child blog documents of support, with the name, diary of events in the beginning of the 2005 year fallow the tsunami and the break of the family and the beginning of the process of stole of my son clear shows by the facts that one is related with another as I stated always.

The two first, are the phone calls that I received, where Teresa indirectly show that a lie was mounted, that I pretend at time to run with my son. This was very astonished for me, because that idea was never in my mind.

The existence of this lie that the group that is behind the stolen of my child had mounted at time, immediately after the tsunami, sum with the word that I listen from my father, that I assume was also convinced by them, and also under hypnosis, by the psy involved, shows that at that moment, this was a cover for another subject and accusation, and of course, the accusation, was that I had created the tsunami.

Why I say that my father was under influence of some psy or other at time.
Because among this years all the times, that this particular conversation had arrived, my father always say to me that I did not tell me such thing, this confirm to me, that he was in remote at that time, and after the ones that had inducted him, probably also had erase this memory in him, and all this together leads to the second fallow question, whom?

The solution came to my conscience after re published this two texts at my blog documents support, and it came by the memory of the place where I go out of the his car during the conversation, immediately after he told to me that, he will put my on jail.

It was already the end of day, I received a phone call from my father, saying that he want to speak with me, I was at the center of the city, and we arrange to meet there, he came by car, pick me up in rossio or restauradores, and he start drive mounting av da liberdade. There was the normal queues of cars at that hours, he say that sentence more or less in the middle of av liberdade, the signal was closed for cars, and a go out at that moment.

This place, is more or less the place where some years after, a car accident was occurred, as I gave the detailed analyze on my book of life,, and this accident was between two secret police cars, an excess of speed without reason, a flight, and a crash against a mupi, and the one that was in front of the sis, or equivalent, at time, almost was dead. Other elements by memory of this crash, a party at the council of Lisbon, the terrorist of state and criminal Jaime Gama ex parliamentary president, and high member of the socialist party, that as the court know is deeply involved on this crime of conspiracy against me my son and many others.

The sum of this two mains facts, the lie, that show a cover, and the meaning of the sum of the other two, a menace of jail and the crash of secret police, say in sum, that they had provoked the tsunami, that they had use it to still my son, and to try to put me on jail.

This is reinforce with another fact, that I already stress a few times to the court, the speech in television of José Socrates in the time that this criminal was prime minister, when he had nominated a chief of the secret police, presenting him and hos functions as , terrorism and cataclysm prevention.

This also in sum, point as I always stated the involvement of the high figures of state from the socialist party in this genocide act, and of course also the secret agreement they had done with all the others so call political forces.

Paulo forte
14 10 2012

Thursday, October 11, 2012

the puzzle 3

O puzzle3
Viajem a Londres sem aviso, terá sido a decisão da vossa mútua entrega.
Decidiram viajar, a pretexto de uma reunião real que ele aí tinha, assim te levou e assim fizeram sexo pela primeira vez.
Algo estranho senti, quando por volta das nove horas comecei a estranhar que não chegasses nem tu nem o Francisco a casa, tentei ligar-te, liguei teus pais e finalmente recebi, o teu telefonema dizendo que estavas em Londres e eu espantado, em Londres, mas não me disseste que ias viajar para fora, e a tua resposta breve e leve, ah esqueci-me.
A viajem ao Porto, não foi a viajem ao Porto, foi uma noite de sexo no Hotel Real Palácio em Lisboa, com promessas e mais promessas de viverem juntos e tu a dizer-lhe que não me podias abandonar porque eu me encontro num momento difícil, e não lhe dizendo que sentias dentro de ti que ainda não era esse tempo.
De permeio outras viagens se sucederam como aquela à pousada do Alentejo.
Jantares nos fins-de-semana na Ericeira, e a cara do teu Pai, que eu já vejo a tanto tempo, quando me vê, que, que eu nunca percebia, um misto de pesar, de tristeza com um tom solidário, pois teu Pai gosta de mim, quando me cumprimentava e cumprimenta e que eu agora percebo claramente ser o que ele sabia. O que eu não sabia, e por isso não entendia, pois tal expressão de afecto só é lógica a esta luz, esta leitura das peças do puzzle.
Manténs com o homem uma relação que me ocultas e negas, e outra comigo, só que a que é comigo, nem relação o é, pois há quatro anos que dormes com o Francisco e assim me afastas-te da tua cama. Perversa, pérfida e calculista, fazendo e trazendo dentro de ti uma decisão de acabar a relação comigo, fundada dentro de ti e só em ti.
Sempre te pedi a verdade, prefiro sempre a verdade e sempre te dei a verdade. Tu não és cruel, como já foste da mesma forma em relações passadas, preferes, o faz de conta, pensando que esse faz de conta não afecta sempre quem está ao lado. E aqui são dois, eu e o nosso filho
Preferes resolver a tua vida da forma que entendes, e os outros que sintam sem sentir, sem perceber, assim caminhas na vida, trepando pelos que te são úteis, à tua valorização e progressão social, cumprindo o grande desejo de tua mãe.
Perversa, pérfida, calculista, consequentemente cruel, nada sabendo do Amor, enganando-o nesse modo de viver que tantos parecem optar, que grande vontade tinhas dos meus genes, que grande valor de mercado eles parecem ter, contudo, mas não te esqueças nunca Mulher, Ele Antes de Ser Ter Filho e Meu Filho, É Filho da Própria Vida. Não o ensines nem leves na senda da mentira e na aprendizagem da crueldade, pois Ele Foi Fadado Pelo Amor Ardente E Amado, Que Tudo Pode, Que Tudo É Por Própria Natureza. Amor é Sempre Verdade. O Amor É Sempre Verdadeiro, e Quando Tropeça no Não Saber, Quando o Aprende e de Novo o Sabe, Corrige Sempre.
Dizes-me que queres ser minha Amiga e que Gostas de Mim e que Me queres Bem.
Não Mintas Mais, que ser assim como és, não cabe nos cânones do Amor.
Por isso te digo, nós para todo o sempre ligado, pelo Filho, Mas Tu Não És Minha Amiga Nem Eu Quero Ser Teu Amigo, Pois Não Sou Amigo de Quem Mal Me Faz ou a meu Filho se meu o for.
As pessoas julgam-se pelos seus actos, não pelo que dizem

diary of events after the break of the famili, firsts days 2005

Este texto, é a agenda dos acontecimentos nos primeiros dias do ano de 2005, depois do tsunami e da separação, como podereis entender, todo reflecte uma acção que estava antecipadamente preparada, pois nunca me passou pela cabeça, fugir com meu filho fosse para onde fosse, ou seja, diz este rumor, como logo me apercebi e em outras ocasiões relatei, que algo de muito grave se estava a passar naquele momento muito para além da separação em si mesma, e que uma grande teia de mentiras tinha sido posta em acção.

A estranha atitude de meu pai, aqui relatada, que nunca entendi para além do expressado, me desvelou na altura que de alguma forma os conspiradores o teriam engando de forma a ele ter este comportamento comigo, ou, que fora hipnotizado, sendo provavelmente caso, que tenha sido através dessa puta, Ana Paula Valente, uma das “front pys” neste imenso crime contra uma criança e um pai

Diário dos acontecimentos

Dia 5 – enviei á Teresa um email pelo p da Elsa a dizer-lhe o que a Dr.ª Ana Paula me tinha pedido para transmitir. Disse-me que não lhe fazia sentido, como eu esperava, depois informou-me no telefonema que lhe fiz no sábado, que se calhar irá, disse-me que iria contactar a Dr.ª Ana Paula para marcar a agenda.

Dia 6 – recebi um telefonema do Paulo Pires, que me disse que o Geirinhas lhe tinha telefonado a perguntar por mim, que eu me tinha passado e que tinha fugido com o meu filho.

Telefonei de seguida ao Geiras que me disse que a t. lhe tinha falado expressando a preocupação comigo e lhe falara sobre a vontade que lhe tinha comunicado de o filho ficar comigo durante os dias da próxima semana, quando a t. se encontrar em viajem no estrangeiro. Expliquei-lhe que estava bem, e ele insistindo mas vê lá que a criança está desequilibrada e se calhar é melhor não ficares com ela, desculpa, lá de me estar a meter mas …..

Dia 6- meu pai diz que quer falar comigo, diz-me o mesmo que todos acham que eu não devo ficar com o meu filho durante estes dias. Saio porta fora do carro depois de ele me agarrar pelo braço e dizer-me que nem que me tenha de mandar prender. Encontramo-nos mais tarde e lá consegui que pelo menos ouvisse o meu ponto de vista sobre o que se está a passar.

A t. está a manipular todos e tudo, todos de repente se viram contra mim, mesmo aqueles que eu amo e me amam como os meus próprios pais.

Enviei-lhe um msm, que dizia, não seria mais fácil, se quiseres saber de mim, telefonares-me? E que achava menos católico estar a envolver os amigos a defender o seu ponto de vista e lhe pedia para não os incomodar e para não os envolver.

Dia 7. Sexta para sábado. t. Levou o Francisco sem me avisar para segundo me disse passar o fim-de-semana com os avos na sua casa da Ericeira. Não sei se é verdade ou não.

Telefonei-lhe no sábado de manhã para lhe dizer, que sobretudo nesta altura da nossa relação, agradecia que antes de levar ou deixar o Francisco onde quer que fosse, fora da casa onde como família habitamos, que me avisasse previamente. Ela concordou e pediu o mesmo em relação a mim. Disse-lhe que sim.

O que é curioso, é que ela disse aos amigos que eu tinha fugido com o Francisco e na volta foi ela com ele embora sem me avisar.

Dia 16 de Janeiro. Voltei de Alcobaça e combinámos almoçar os três em casa.

Mais uma vez me disseste que “querias um homem rico”. Já por diversas vezes ao longo do tempo me expuseste este sentir. Ainda recentemente me dizias que eu não era assim, quando me conheceste, que eu era um homem empreendedor, que ganhava muito dinheiro, e que agora estava diferente. Dizes que era bom ter um homem rico pois assim não precisavas de trabalhar, e acrescentas, pelo menos não precisavas de trabalhar tanto. E eu, mas porque colocas esse papel, essa expectativa em mim, como homem, e acrescento agora o resto do fio do meu pensamento.

Também poderia dizer-te o mesmo, se bem que não me faça sentido não trabalhar, mesmo que fosse rico, mas não seria melhor nenhum de nós pôr essa expectativa sobre o outro. Por que diabo um teria que sustentar o outro? E depois, meu amor, relações em que alguém sustenta um outro, podem facilmente tornar-se relações de dependência, com por vezes tristes consequências, parecidas com aquelas que atravessamos.

Perguntas para quem? Para os dois como sempre, é sempre para os dois, mesmo que muitas vezes só falemos do oprimido, mas o algoz, torna-se assim algoz, e concordarás comigo que ser algoz, como projecto de vida tem muito que se lhe diga. É um bocado como as estranhas dependências que se criam entre os polícias e os prisioneiros, quando os interrogatórios descambam em tortura.

Também hoje me disseste que já desde Novembro que me vinhas dizendo querer uma vida nova. É verdade que desde sempre me foste dizendo coisas, e que então tinhas desde essa data três pretendentes, ou melhor, três homens que te interessam, pois pretendentes sempre tiveste muitos, se bem te conheço, naquilo que não assumes. E que em 31 foste almoçar com um que depois deu origem à troca das mensagens que eu li. Aquelas que revelavam o enamoramento e a vossa relação intima. Vais-me dizendo as coisas as pinguinhas, como sempre. Depois perguntei-te quem eram então os outros dois, e tu, para que queres saber. Para que quero eu saber? E tu, porque não me queres dizer?, foi a pergunta que te devia ter posto.

17 de Janeiro- 2º encontro com a Dr.ª Teresa maia

Comecei por lhe dizer que provavelmente existiria um mal-entendido, que tinha tido infelizes repercussões e que queria esclarecer.

Sabe a ideia com que fiquei no final do primeiro encontro, foi a senhora ter concluído depois de uma hora de conversa que eu não lhe parecia esquizofrénico, e que devido aquilo que lhe contei, do emaranhado do momento geral em diversas áreas da minha vida, que lhe parecia útil que continuássemos a falar, pois tal podia me ajudar.

Expliquei-lhe então,

Conversa à noite na nossa casa comum com a Teresa. Perguntei-te mais uma vez, para aí, a quinta, se sim ou não querias ir à consulta da Ana Paula. E depois perguntei-te se querias salvar a nossa relação e o nosso projecto de família.

A proximidade dos espaços íntimos, comuns e dos corpos. Corpos que se revelam, por debaixo do roupão de seda, aberto, por vezes, quase revelando teus seios, e eu desejo de os agarrar, como tu gostas que eu te os agarre, firmes com força, que me leva por vezes a pensar, se não te estarei a magoar.

E eu de início espantado de pensar e de pensamento, porque só gostas assim com força, porque precisas da força para sentir o prazer, porque no seu oposto, não te agrada a suave ternura, aquela, em que as mãos como que só deslizam sobre a pele, que desperta um prazer de mansinho, que se torna lento levante até desembocar nos maiores sóis. Força, espelho de intensidade forte do sentir na pele, na carne do corpo, como que uma forma de saber dele, porque algo o agarra, o torce.

Tudo bem, fácil de perceber que se o outro assim nas vezes nos trata, que poderemos então entendê-lo como demonstração de inequívoco desejo, aquilo que se acorda chamar uma forte paixão, um forte desejo de nós, mas meu amor, o desejo e a sua expressão é como uma escala musical, mesmo, entre as notas que os homens acordaram para dividir o indivisível, são múltiplas e infinitas suas cambiantes, seus lugares nessa ordem, nessa linha vertical imaginada.

Todas as notas, todos os entre notas que possamos ouvir, imaginar, criar, existem, estão lá, são um mesmo som contínuo no tempo do seu existir infinito, como o amor, que é, poesia, música e pauta.

Oh meu amor, o meu desejo por Ti existe e é-me claro como a agua. Porque te acho bela em meu olhar, assim meus olhos do meu coração decidiram ver-te ao longo deste tempo e o meu desejo, não precisa ter uma forte expressão na forma como agarro e torço teu corpo, para o revelar, a mim agrada-me também a doçura dos vales, do prazenteiro calor de verão, que acalma e torna lânguidos os corpos no seu encontrar, como que os derrete no seu aproximar, na sua linguagem própria que os aproxima.

Oh meu amor, recordo e trago dentro de mim, o meu desejo do lento lamber, do rasante acariciar, naquela fina linha eléctrica que se cria e se gera quando as peles quase se tocam e nesse quase, nesses momentos habitam, despertar um fino e rendilhado desejo, pois desejo e desejar são arte, uma arte onde os belos pintores, porque assim o querem ser, podem pintar as mais belas paisagens. E será a carícia da pele que quase não toca a outra, uma afirmação de menos vontade, de menos desejo, de menos querer o outro?

Oh querida, como fomos perdendo o verde do campo dos suaves beijos, uma forma de fazer poesia com teu corpo e tua alma, recordas-te? Como teus lábios se alongam, se distendem em sorriso, como te acalmas meu pássaro e te despertas em suave crescendo, até desaguar.

Oh minha querida, como eu gosto de te lamber infinitamente naquele lugar que ambos conhecemos, mãe de todos os mistérios. Como gosto eu de misturar com minha boca, minha seiva, à tua que desperta, como gosto do sabor, daquele mel, melaço, doce mel, que tudo empapa como papa com quase grumos. Assim me misturo com minha cara, meu olhar e ver, meu gosto, meu cheiro, a Ti, assim mais fundo me uno e me completo nesse Mel de Amor. Ah se soubesses, como me sinto então, próximo de ti, o mais dentro de Ti.

Oh meu amor, e Tu, um dia me disseste em tom frio e clínico, que eu lambia bem, que era o homem que conhecias que melhor o fazia. Coisas desnecessárias de se dizerem, meu amor, porquê comparar, porquê reduzir ao lamber, pois é muito, muito mais que isso, meu amor e tu sabê-lo dentro de Ti. Poderias dizer em vez, foi bom, meu amor, que delícia me ofereceste, ou outra coisa qualquer, menos fria.

Mas este, é só um dos lados da tua natureza, o analítico, o frio emocional, uma distância que se insinua muitas vezes, um último reduto, que queres sempre defender, que eu Te vejo sempre a defender. Uma forma de Tu seres, dirigida, sem deixar que ninguém transponha esse teu lago imenso, secreto e cheio de segredos.

Oh meu amor, eu sei como te vês, sei da tua consciência desses lados da tua natureza, de uma fortíssima ligação à terra, ao seu poder organizador, fecundo da vida, sempre à procura do que decides por melhor, e que revela por vezes uma determinação não só poderosa, mas uma frieza com laivos de terrível. Um eu irredutível, que resiste sempre em impor a sua direcção até onde lhe deixarem. Um suavíssimo impor, uma extrema diplomacia, Tu meu amor, que estiveste quase numa carreira de serviços de informação, tal mata hari da tua adolescência, como te vês. Vejo-te agora, aqui a sorrir a ler, mata hari, pois é uma imagem de secretismo que tanto te seduz, que tanto praticas

Mas meu amor, a diplomacia, funciona numa espécie de toque e foge, de um longe de permeio, e no espaço íntimo dos dias dos seres, chega por vezes o momento, em que ela não funciona mais. A arte da fuga, como lhe chamas, o teu padrão da fuga longa e dissimulada, que sempre magoa quem está ao lado e eu a dizer-te isto no outro dia, vi em tua cara, como se um espanto fosse, como não percebesses, não tivesses consciencializado, que estes processos por muito dissimulados que sejam, são sempre sentidos pelo outro, que magoam, por vezes mais que a clareza das coisas, no tempo certo, o tempo em que acontecem.

Um nunca querer nem entrar em confronto, uma exímia desarmadora,

Como e o Teu lado do voo do pássaro. Aquele que Te fez por duas vezes, apaixonar-te por poetas. O teu lado da poesia, dos cavaleiros e das princesas, oh meu amor, como Tu então te tornas bela e radiante, quando te vejo a navegares nesses mares e eu feliz por ir a teu lado.

Aquele lado da Sedução, da qual és Eximia Filha Oh meu amor,

sempre esta ideia recorrente, tanto amor entre nós, tanto um do outro nos gostamos e tão mal nos fazemos. Tudo talhado para a felicidade do amor, e tanto mal nos vimos fazendo.

É como sentir ficar no ponto onde o rio desagua no mar, quase lá, mas a ele não chegando, como um véu, que não permite a entrega e depois a guerra, a guerra das rosas, que há longo tempo guerreamos, e o amor sempre lá por detrás a espreitar, pronto a saltar, um imenso amor, pois se assim não o fosse, não teria resistido tanto tempo, às guerrilhas e as guerras. E tanta Paz, também, neste tempo provada. Por isso a dor se carrega mais em cada um dos nossos corpos no agora em que estamos. Subindo aos píncaros, e descendo depois ao fundo da terra, acentua o contraste, uma imagem que tende ao preto e branco, que revela a grandeza da perda, daquilo que se perdeu, ou se vai nas vezes perdendo.

Oh meu amor, podia dizer-te

Ideias soltas

Estamos em caminhos diferentes de carreiras, tu muito ocupada, cada vez mais e eu a querer descomplicar a minha vida nesse plano. Questão da cunha.

Oh minha querida trago em meus olhos, do meu coração, repetidas memórias da fuga do teu corpo, de um incómodo, que no início pensava ser de hipersensibilidade e que depois foi vendo com outros tons, pois mesmo que diversas vezes te tenha pedido que me explicasses, provavelmente nunca o entendi, ou tu não mo explicaste.

Sempre quis que me ensinasses o teu prazer, que me conduzisses na revelação

Sonho da manhã de 27 de Janeiro.

Em nossa casa. Eu, a T, o Francisco e a Sogra.

A Teresa pede-me para levar roupa para a marquise. No chão estão escritos dela que fala dos seus diversos amantes ao longo do tempo em que comigo esteve. Depois ajudo a meter convites em envelopes, para o dia 18 de Fevereiro. Pergunto à sogra, que festa é esta, pois por qualquer razão que me é desconhecida, não consigo ler o seu conteúdo ou ele não é explícito. Obtenho uma resposta evasiva. Depois na casa de banho a parede está a ser pintada de azul em frente ao local do espelho. A parede da banheira está coberta por um lençol branco que oculta algo.

Análise de possibilidades: Festa de casamento da Teresa e do Nuno Debonnaire. Entronca com um segredo que o Francisco transporta e que não me diz. Triste e terrível realidade de quem inculca segredos numa criança que devem ser ocultados do seu próprio pai. Perversos, perversidade e manipulação. Vade retro manipuladores, que Vos caia em cima as vossas próprias intenções. Será que ele sabe de um casamento agendado?